Obras

O VOLTAR
Bartók e a música nacionalista
BartókMúsica e Dança: Nacionalismo

Bartók e a música nacionalista

Bela Bartók (1881–1945) é considerado, juntamente com Liszt, um dos maiores compositores húngaros. Entre suas principais obras estão o ciclo de seis Quartetos de Cordas, a Cantata Profana, a Música para Cordas, Percussão e Celesta, o Concerto para Orquestra e o Concerto nº 3 para Piano e Orquestra.

Conhecido também por seu estudo de música folclórica, foi um dos fundadores da musicologia comparada, que se tornou mais tarde a etnomusicologia.

Em 1908, aos 27 anos, Bartók e seu amigo e compositor Zoltán Kodály fizeram a primeira de suas excursões pelo interior da Hungria para coletar e pesquisar antigas canções magiares, realizando descobertas importantes.

Até então, a música folclórica húngara era conhecida como música cigana. Um exemplo bem conhecido é o das Rapsódias Húngaras de Liszt, baseadas em canções e danças executadas na época por conjuntos ciganos.

O contraste com as descobertas de Bartók e Kodály foi muito grande: as antigas melodias folclóricas magiares eram baseadas em escalas pentatônicas, semelhantes às das tradições folclóricas da Ásia, Anatólia e Sibéria.

Vamos ouvir uma seleção de peças de Bartók inspiradas na música tradicional de seu país:

Bartók – Três Canções Folclóricas do Distrito de Csik | György Sandór (piano)

Bartók – Danças Folclóricas Romenas | Helène Grimaud (piano)

Bartók – Quatro Canções Eslovacas | Coro e Orquestra da Filarmônica Eslovaca, Szabó Miklós (regente)