Obras

O VOLTAR
Brahms - Trio nº. 1 em Si Maior, Op. 8
Brahms

Brahms – Trio nº. 1 em Si Maior, Op. 8

O Trio nº. 1 tem uma história especial: quando Brahms começou a compô-lo, aos dezenove anos, recebeu a notícia da tentativa de suicídio de seu querido amigo Robert Schumann. Ele acorreu imediatamente à sua casa e lá ficou por um tempo dando apoio à família. O Trio, que começava em um radioso Si maior, foi terminado em um trágico Si menor.

Mas a história não termina aqui. Trinta anos depois, a editora Breitkopf & Härtel vendeu todas as obras de Brahms à editora Simrock, que tinha o intuito de editá-las novamente. Simrock ofereceu a Brahms a oportunidade de revisar suas primeiras obras para a nova edição. Brahms aceitou a oferta.

No caso do Trio nº. 1, ele reduziu um terço da obra, dizendo que tinha muitos rompantes da juventude. Reescreveu o primeiro, o terceiro e o quarto movimentos. Só escapou o segundo, Scherzo.

A obra revista, diz um comentarista, une a impetuosidade e a paixão da juventude à segurança técnica e maestria arquitetônica da maturidade do compositor.

Brahms – Trio nº. 1 em Si Maior, Op. 8 | Nikolai Lugansky (piano), Gautier Capuçon (violoncelo) e Leonidas Kavakos (violino)