Obras

O VOLTAR
Dvorák

Dvorák – Quinteto para Piano e Cordas nº 2, Op. 81

Antonín Dvorák (1841-1904), nascido na região da Boêmia, pertenceu à escola nacionalista do período romântico, consagrando-se como um dos principais compositores do século 19, e um dos mais representativos da música tcheca.

Ele compôs Quinteto Para Piano e Cordas nº 2, Op. 81 em 1887 na sua casa de campo, em Vysoka. O Quinteto obteve grande sucesso, sendo hoje reconhecido como uma das obras-primas do gênero, juntamente com os quintetos de Schumann, Brahms e Shostakovich.

São quatro seus movimentos:

I- Allegro, ma non tanto

II- Dumka: Andante con moto

III- Scherzo (Furiant): molto vivace

IV- Finale: Allegro

A abertura é tranquila: o violoncelo desliza sobre o acompanhamento do piano, uma barcarola. Mas esta tranquilidade dá lugar a passagens vigorosas das cordas, às quais se sucedem trechos de grande lirismo. São nessas mudanças de humor que residem os encantos do movimento.

No segundo movimento, intitulado Dumka, também se alternam passagens lentas e rápidas. Essa é uma das formas favoritas do compositor, que também a utilizou em seu famoso Trio para Piano Dumky. O movimento tem a forma de um rondó, A-B-A-C-A-B-A, onde “A” é o refrão elegíaco ao qual se alternam trechos rápidos. Dvorák vai enriquecendo a textura do “A” a cada vez que ele retorna. Os episódios intermediários vão ganhando um crescente contraste com o início e caminhando para o vibrante clímax, uma dumka, a “dança selvagem” como a chamava Dvorák.

O brilhante Scherzo Furiant tem características de uma valsa rápida e de um Furiant, uma dança rápida do folclore da Boêmia. Dvorák usou Furiants em muitos de seus Scherzos escritos nessa época (década de 1880). Aqui, o violoncelo e a viola se alternam em pizzicatos, sob o violino, que toca o tema principal. O trio, mais lento, é uma genial transformação da melodia da abertura do primeiro movimento.

O Finale é espirituoso, alto astral. O segundo violino leva o tema a uma fuga, no desenvolvimento. Dvorák anota tranquillo para a seção central, que tem a forma de um coral. Depois dessa pausa momentânea, a peça gradualmente ganha velocidade e termina, no dizer de um comentarista, “com brilhantes floreios pentatônicos, proféticos do estilo americano de Dvorák”.

Dvorák - Quinteto Para Piano e Cordas nº 2, Op. 81| Janine Jansen (violino), Boris Brovtsyn (violino), Julian Rachlin (viola), Mischa Maisky (violoncelo) e Polina Leschenko (piano)