Obras

O VOLTAR
HaydnMÚSICA ORQUESTRALSemana Santa

Haydn – As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz

As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz figura entre as mais belas, profundas e incomuns obras de Haydn. Ele mesmo nos explica as circunstâncias que o levaram à sua composição:

“Há uns quinze anos recebi um pedido de um sacerdote de Cádiz [cidade da Andaluzia] para compor música instrumental sobre as Sete Últimas Palavras de Nosso Salvador na Cruz. Era costume em Cádiz produzir todo ano um oratório durante a Quaresma.

O efeito desta apresentação era intensificado pelo cenário que era montado. As paredes, janelas e pilares eram cobertas com panos pretos e somente um grande candelabro pendurado no centro do teto quebrava a solene escuridão. Ao meio-dia, as portas eram fechadas e a cerimônia começava.

Depois de uma breve oração, o bispo subia ao púlpito, dizia a primeira palavra e fazia um breve sermão sobre ela. Depois deixava o púlpito e se ajoelhava diante do altar. A orquestra então tocava o primeiro Adagio. O bispo prosseguia desta maneira, dizendo a segunda palavra, a terceira e assim por diante. A orquestra se seguia à conclusão de cada discurso.

Minha composição era sujeita a estas condições e não foi nada fácil compor sete adágios, durando dez minutos cada, que se sucediam, sem cansar os ouvintes; na verdade, achei impossível me ater aos limites estabelecidos.”

Uma observação importante: as cerimônias da Sexta-Feira Santa não aconteciam na Catedral de Cádiz, mas sim na Capela de Santa Cueva, uma caverna feita em uma colina atrás da Catedral, em quase total escuridão.

A obra

A versão original da composição data de 1786 e foi escrita para grande orquestra. Teve tanto sucesso que logo vieram outras versões: para quarteto de cordas, para orquestra e coro (com texto composto especialmente) e uma redução para piano autorizada pelo compositor.

A primeira apresentação em Cádiz ocorreu em 6 de abril de 1787. Uma indicação da fama de Haydn naquela época reside no fato de a obra ter sido executada quase que simultaneamente em Viena e em Bonn, em fins de março, portanto antes da “estreia” em Cádiz!

Haydn dividiu o trabalho nas seguintes partes (texto em Latim, como na versão apresentada no vídeo):

  1. Introdução em Ré Menor – Maestoso ed Adagio
  2. Sonata I (“Pater, dimitte illis, quia nesciunt, quid faciunt”) em Si Bemol Maior – Largo
  3. Sonata II (“Hodie mecum eris in paradiso”) em Dó Menor /Dó Maior – Gravecantabile
  4. Sonata III (“Mulier, ecce filius tuus”) em Mi Maior – Grave
  5. Sonata IV (“Deus meus, Deus meus, ut quid dereliquisti me”) em Fá Menor – Largo
  6. Sonata V (“Sitio”) em Lá Maior – Adagio
  7. Sonata VI (“Consummatum est”) em Sol Menor/Sol Maior – Lento
  8. Sonata VII (“In manus tuas, Domine, commendo spiritum meum”) em Mi Bemol Maior – Largo
  9. Il Terremoto (Terremoto) em Dó Menor – Presto e con tutta la forza

Versão em português:

  1. Introdução
  2. “Pai, perdoai-os porque eles não sabem o que fazem.” (Lucas 23:34)
  3. “Em verdade eu te digo, hoje, estarás comigo no Paraíso.” (Lucas 23:43)
  4. “Mulher: Eis aí o teu filho… Então disse ao discípulo: Eis aí tua mãe…” (João 19:26-27)
  5. “Elí, Elí, lama sabactani? (Deus, meu Deus, por que me abandonaste?).” (Mateus 27:46 e Marcos 15:34)
  6. “Tenho sede.” (João 19:28)
  7. “Está consumado.” (João 19:30)
  8. “Pai, em tuas mãos entrego meu espírito.” (Lucas 23:46)

O nono e último movimento, Terremoto, refere-se à descrição de Mateus 27:51 e 27:54:

51 E eis que a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes, a terra tremeu e as pedras se partiram…
54 O oficial e os soldados que estavam com ele guardando Jesus, ao notarem o terremoto e tudo que havia acontecido, ficaram com muito medo e disseram: “Ele era mesmo Filho de Deus!”

Desafio

A respeito do comentário de Haydn, acima, sobre sua obra – “não foi nada fácil compor sete adágios, durando dez minutos cada, que se sucediam sem cansar os ouvintes; na verdade, achei impossível me ater aos limites estabelecidos” –, o comentarista Eric Bromberger afirma:

“O desafio para ele era de capturar o espírito destas palavras solenes, mantendo o interesse dos ouvintes ao longo de sete movimentos lentos. Ele o enfrentou de diferentes maneiras: criando fortes contrastes entre o caráter das partes (algumas são líricas, outras lamentosas, outras dramáticas), usando uma ampla gama de tonalidades (inusitado na época), e sonoridades contratantes – cordas em surdina em um movimento, pizzicato em outro. Emoldurou os sete movimentos lentos com a Introdução solene, Maestoso ed Adagio, e o Terremoto final, marcado Presto e con tutta la forza.”

Uma curiosidade final: o padre que encomendou a composição, Don José Sáenz de Santa María, pagou Haydn de uma maneira original – mandou-lhe um bolo… recheado de moedas de ouro.

 

Haydn – As Sete últimas Palavras de Cristo na Cruz | Le Concert des Nations, Jordi Savall (regente)