Obras

O VOLTAR
MozartMÚSICA ORQUESTRAL

Mozart – Concerto nº 21 para Piano e Orquestra, K. 467

Esse talvez seja o mais conhecido dos concertos para piano e orquestra de Mozart. Possivelmente pelo fato de seu movimento lento ter sido usado na trilha sonora do filme sueco Elvira Madigan, de Bo Widerberg (1967). A partir de então, caiu no gosto popular, sendo objeto de inúmeros arranjos, incluindo um do compositor e maestro argentino Waldo de los Rios.

A Quaresma de 1785 foi um período particularmente ativo para Mozart. Ele apresentou mais de dez recitais e concertos em um período de seis semanas. O concerto do dia 10 de março foi especialmente importante. Dizia seu anúncio:

“Na quinta-feira, 10 de março de 1785, o Kapellmeister Mozart terá a honra de apresentar, no Teatro Real e Imperial, um grande concerto em seu próprio benefício, incluindo um novo e recém-terminado Concerto para Fortepiano a ser interpretado por ele próprio.”

Terminado às pressas (a orquestra estava provavelmente lendo a partitura à primeira vista), o Concerto foi um grande sucesso.

Elvira Madigan (foto do filme)

O primeiro movimento, Allegro, é maior e mais sinfônico do que muitos dos concertos anteriores de Mozart. As principais ideias são apresentadas na abertura: um tema em estilo militar e outro mais suave, tocado pelas madeiras.

O Andante é um dos movimentos mais líricos do compositor. É uma busca pungente e melancólica (que criou o clima perfeito para o filme Elvira Madigan, extremamente romântico, mas também trágico).

Depois da seriedade do primeiro movimento e da emoção agridoce do segundo, o finale, Allegro vivace assai, é um rondó bem humorado. O clima é o da pretensa seriedade de uma ópera-bufa.

Mozart – Concerto nº 21 para Piano e Orquestra em Dó Maior, K. 467 | Maria João Pires (piano) | Orquestra de Câmara da Televisão Suíça, com Matthias Bamert (regente).