Obras

O VOLTAR
MÚSICA ORQUESTRALRavel

Ravel – Bolero

O Bolero foi composto por encomenda da bailarina e empresária Ida Rubinstein e, embora tenha sido escrito originalmente para um balé, é hoje apresentado mais frequentemente como uma peça orquestral.

Sua estreia aconteceu em 1928, no Ballet da Ópera de Paris, com enorme sucesso. Uma senhora teria gritado da plateia: “Ravel é louco!”.  Ao que Ravel teria respondido: “Ela entendeu perfeitamente a obra”.

Inspirado pela dança espanhola, Ravel fez modificações no ritmo. Tocando o tema da obra com um dedo no piano, ele perguntou a um amigo: “Você não acha que este tema tem uma qualidade insistente? Vou tentar repeti-lo várias vezes, cada vez com mais recursos, aumentando, pouco a pouco, a orquestra”.

E ele assim o fez, utilizando-se de alguns recursos para dar variedade à repetição da melodia:

  • o uso de instrumentos solistas que vão mudando a cada passagem;
  • o gradativo aumento do número de instrumentos;
  • o também gradativo aumento de volume, chegando a um tremendo crescendo final para toda a orquestra.
Vamos assistir, primeiramente, à coreografia de Maurice Béjart com a bailarina russa Maya Plisetskaya e o Ballet du XXe Siècle, e, em seguida, sua interpretação pela Orquestra Sinfônica de Londres, regida por Valery Gergiev:

Ravel – Bolero | Orquestra Sinfônica de Londres | Valery Gergiev rege com um palito