Obras

O VOLTAR
Saint-Saëns - Dança Macabra
Poema SinfônicoSaint-Saëns

Saint-Saëns – Dança Macabra

A Dança Macabra é a obra orquestral mais executada de Saint-Saëns. Não foi, no entanto, originalmente composta para orquestra. O compositor a adaptou de uma canção para voz e piano sobre um poema de Henri Casaleis.

O poema descreve uma lenda medieval segundo a qual, na noite de 31 de outubro (dia das bruxas), a Morte ou o Diabo tem o poder de tirar os defuntos de seus túmulos e fazê-los dançar até o amanhecer. É uma história de terror, mas Saint-Saëns lhe dá um tom leve, quase cômico.

A história começa com o relógio que bate à meia noite – a harpa repete 12 vezes a mesma nota. O diabo afina então seu violino e começa a tocar uma valsa. Um segundo tema, no xilofone, evoca a trupe de esqueletos e fantasmas que dança (é possível ouvir os ossos batendo uns contra os outros). A festa fica cada vez mais animada até que, com o cantar do galo, todos se dispersam e desaparecem. O diabo se despede com uma melodia triste e volta para o inferno até o ano seguinte.

Tempos depois, Saint-Saëns adaptou parte da música da Dança Macabra para o movimento Fósseis de sua suíte humorística O Carnaval dos Animais. O xilofone e o violino são novamente os instrumentos mais proeminentes, alternando-se com a clarineta e os pianos.

Saint-Saëns – Dança Macabra | Orquestra Juvenil da Venezuela Teresa Carreño; regência: Gustavo Dudamel; Angelica Olivo (violino)