Obras

O VOLTAR
Beethoven – Sonata para Piano e Violoncelo nº 1 em Fá Maior, Op. 5 nº 1 | Yo-Yo Ma (violoncelo) e Emanuel Ax (piano)
BeethovenMÚSICA DE CÂMARA

Beethoven – Sonata para Piano e Violoncelo nº 1, Op. 5 nº 1

Beethoven escreveu 32 sonatas para piano, 16 quartetos de cordas e 10 sonatas para piano e violino, mas apenas 5 sonatas para piano e violoncelo. Elas se distribuem, no entanto, ao longo de 20 anos, de 1796 a 1815. Abrangem assim as três fases, ou os três estilos, da carreira do compositor. Há até uma certa simetria: as duas primeiras, Op. 5, e as duas últimas, Op. 102, flanqueiam uma sonata central, a Op. 69.

O violoncelo – diminutivo de violone – ou seja, pequeno contrabaixo, antes era usado como parte do contínuo, passando a ser utilizado na orquestra como instrumento solista na segunda metade do século XVIII. As sonatas para violoncelo e piano eram uma nova forma de música de câmara. Com seus trabalhos, Beethoven fez do que até então era um meio instrumental periférico, um novo gênero clássico.

Beethoven compôs suas primeiras obras para violoncelo e piano, ou Sonatas para cravo ou pianoforte com violoncelo obbligato, em 1796.

Durante uma turnê de concertos passando por Praga, Dresden, Leipzig e indo depois a Berlim, sede da corte prussiana, Beethoven se encontrou com o rei Frederico Guilherme II, um talentoso violoncelista amador, e com o diretor de música da corte, Jean-Pierre Duport, um famoso virtuose do violoncelo e professor do Rei.

As duas Sonatas Op. 5 foram compostas durante a estada de Beethoven em Berlim. Ele as dedicou ao Rei e as executou para ele com Duport. O enorme desafio técnico que elas apresentam nos diz algo sobre qualidade de seus primeiros intérpretes. O rei deu a Beethoven uma caixa de rapé de ouro, cheia de luíses de ouro. “Um presente digno de um embaixador”, foi o comentário de Beethoven.

A arquitetura formal das Sonatas Op. 5 – um longo movimento introdutório, seguido por dois mais rápidos – não encontra paralelo nas sonatas para piano e para piano e violino. Esta estrutura foi adotada provavelmente para dar destaque às possibilidades líricas do violoncelo.

A introdução da Sonata Op. 5 nº 1, Adagio sostenuto, tem a originalidade e a grande escala que Beethoven procura em seus primeiros trabalhos.

O Allegro, que se segue sem pausa, apresenta nada menos que quatro temas. O tema de abertura é apresentado pelo piano. A seção de desenvolvimento é constituída quase que exclusivamente por permutações harmônicas deste tema.

O Finale é um Rondó brilhante, Allegro vivace, baseado num tema de dança em 6/8, de grande vitalidade. Os episódios intermediários, inclusive um que imita o baixo da gaita de fole, dão ao movimento grandes contrastes de expressão.

BeethovenSonata para Piano e Violoncelo nº 1 em Fá Maior, Op. 5 nº 1 | Yo-Yo Ma (violoncelo) e Emanuel Ax (piano)