Obras

O VOLTAR
Brahms - Serenata Constable-Wivenhoe-Park
BrahmsMÚSICA DE CÂMARAMÚSICA ORQUESTRAL

Brahms – Serenata nº 2 em Lá Maior, Opus 16

Brahms compôs sua Serenata em Lá Maior em 1858-9. Foi escrita para orquestra de câmara, sem violinos.

As duas serenatas de Brahms são sucessoras da grande tradição das serenatas e divertimentos de Mozart, como o Septeto de Beethoven e os Octetos de Schubert e Mendelssohn.

Antes consideradas apenas ensaios para suas grandes sinfonias, são hoje reconhecidas como modestas obras-primas.

O primeiro movimento, Allegro Moderato, é gracioso e relaxado. Apenas durante o desenvolvimento surge alguma ansiedade, que se dissipa com a volta do clima da abertura.

Há então dois movimentos de dança: o Scherzo, – um Vivace enérgico, com acentos folclóricos – e um Quasi Menuetto – “absolutamente indançável”, diz um comentarista.

Entre os dois, está o Adagio non troppo, íntimo e poético, que é o coração da obra – um conjunto de variações sobre um baixo que se repete, que prenuncia as Variações sobre um tema de Haydn e a grande Passacaglia da Quarta Sinfonia.

O Rondó final é cheio de vitalidade e de efeitos brilhantes, lembrando às vezes uma dança camponesa. O piccolo tem aqui um papel de destaque.

Imagem: Constable – Wivenhoe Park

Brahms – Serenata nº 2 em Lá Maior, Opus 16
Sigiswald Kuiken rege o Collegium Musicum da Ucrânia