Obras

O VOLTAR
Verdi - Aida
ÓperaVerdi

Verdi – Aida: “Marcha Triunfal”

Beethoven, Grieg, Elgar e Glazunov, entre outros compositores, escreveram marchas triunfais; todavia, a mais conhecida de todas é a que Verdi compôs para sua ópera Aida.

Verdi pretendia se aposentar depois da estreia de Don Carlos na Ópera de Paris, em 1867. Ainda que as óperas compostas para serem estreadas em Paris tivessem lhe trazido grandes recompensas, ele estava cansado de ter de lidar com as exigências e caprichos dos administradores das casas de ópera francesas e resolveu retirar-se para sua propriedade em Sant’Agata.

Em 1869, porém, a pedido do Vice-rei do Egito, seu amigo Camille DuLocle lhe solicitou que compusesse uma ópera baseada em um enredo do egiptólogo francês Auguste Mariette. Verdi inicialmente recusou, mas acabou aceitando quando du Locle obteve para ele uma das maiores quantias pagas a um compositor até então – 150 mil francos (cerca de 20 mil dólares).

Aida é uma das óperas mais empolgantes de Verdi. É notável pelo tratamento sofisticado e ativo da orquestra, que assume um papel mais significativo do que em trabalhos anteriores do compositor. Isto fica bem claro na esplêndida Marcha Triunfal (Gloria all’Egitto – Glória ao Egito) e Música de Balé, no fim do segundo ato.

Radamés comanda o exército egípcio em seu retorno depois da vitória contra os etíopes. A cena inclui também música de balé para a dança dos prisioneiros etíopes, no desfile para o rei do Egito.

A Marcha Triunfal, brilhante e majestosa, impressionou de tal maneira as autoridades egípcias, que estas a adotaram como o hino nacional do país.

Em um estudo que fez da música egípcia, Verdi descobriu um trompete para fanfarras cerimoniais que lembrava, segundo alguns, o zurro do burro. Encomendou então a Adolphe Sax (inventor famoso pela criação do saxofone) um “Trompete de Aida” para ser usado na Marcha.

Verdi – Aida, 2º Ato, Final – Marcha Triunfal e Música de Balé | Coro e Orquestra do Metropolitan Opera House de Nova York, sob a regência de Riccardo Chailly.

——————————-

Imagem: Lund International Choral Festival, Suécia, 2010 (476 cantores)