BLOG

B VOLTAR

Le Feu Follet, de Louis Malle: a cena do Café

Le Feu Follet (O Fogo Fátuo, 1963), de Louis Malle, exibido no Brasil com o nome de Trinta Anos Esta Noite, é uma adaptação do romance homônimo de Drieu La Rochelle.

O filme conta a história de Alain (Maurice Ronet), um alcoólatra que acaba de deixar uma clínica de reabilitação. Tendo decidido por fim a seus dias, ele vagueia sem rumo por Paris ao longo de um dia.

Alain está isolado, perdeu o contato com o que o cerca. Para fazer sentir ao espectador o olhar do protagonista, que se sente um estranho no mundo, Malle usa na trilha sonora peças para piano do compositor francês Erik Satie.

Nessa cena curta, que se passa no terraço do Café de Flore, Alain observa os rostos das pessoas que passam. Sua distância, sua alienação em relação a elas surge quando, mergulhando pela primeira vez no álcool após sua reabilitação, ele busca refúgio na bebida.

Aqui, o que poderia parecer uma proteção se revela uma fuga, que vai se pagar primeiramente pela solidão e, depois, por sua variante mais radical: a morte.

A Gnossienne nº 1, de Satie, a trilha sonora do trecho, ilustra vividamente esse clima: um confronto entre um fundo rítmico perpétuo e uma melodia de dor, de perda, que se eleva sobre essa base.

É o deslizar imperceptível de Alain para o suicídio.

Cena do Café, Le Feu Follet, de Louis Malle:

DESTAQUES