BLOG

B VOLTAR
Schubertiade2.jpg

Schubertiades – Parte 2

  1. AN SYLVIA (A Sílvia)

“Quem é Sílvia, o que é ela,

Que todos nossos jovens admiram?

Santa, bela e sábia é ela,

Tanta graça o céu lhe concedeu!”

An Sylvia é uma serenata cantada por um pequeno coro masculino, no 4º Ato de Os Dois Fidalgos de Verona, de Shakespeare. No enredo da peça, a canção tem conotações humorísticas. Mas, como diz Richard Capell, “Schubert expulsa os fidalgos de Verona e transforma Sílvia em um personagem seu”. O compositor ficou claramente impressionado pelo poema e encanta hoje as pessoas que ouvem sua canção. 

“Há canções mais profundas e mais elaboradas”, afirma John Reed, “mas nenhuma maior que esta. Sua perfeição de forma e expressão é absoluta”.

Schubert – An Sylvia | Mattias Goerne (barítono) e Filarmônica de Berlim, com Manfred Honeck (regente)

 

Interlúdio

Mozart – Sonata para Piano a 4 mãos, K. 381: Andante | Lucas & Arthur Jussen (piano)

 

  1. DASS SIE HIER GEWESEN (Que ela esteve aqui) 

“O vento do leste

Traz fragrância ao ar

E assim fico sabendo

Que você esteve aqui!

 

Lágrimas derramadas aqui:

Você saberá,

Embora não tivesse percebido, 

Que eu estive aqui.

 

Beleza ou amor:

É possível ocultá-los?

Fragrâncias e lágrimas proclamam

Que ela esteve aqui!

(Friedrich Rückert)

 

Impossível descrever esta canção. Mágica, etérea, ambígua, suave, delicada, apaixonada, sofrida, lacônica, eloquente, única… Musicar o perfume que a brisa traz em uns poucos acordes!

Schubert – Dass sie hier gewesen | Christoph Prégardien (tenor)

 

Interlúdio

Schubert – Allegretto D. 915 | Paul Lewis (piano)

 

  1. FRÜHLINGSTRAUM (Sonho de Primavera) 

A canção Frühlingstraum integra o ciclo Viagem de Inverno, de Schubert.

1ª parte: 

A canção inicia como uma valsinha inocente. O viajante recorda, em sonho, a primavera, as flores. Mas… há algo estranho aqui: o registro muito agudo do piano é o equivalente sonoro das cores lavadas, desbotadas, de sequências alucinatórias do cinema.

2ª parte: 

Os galos cantam e interrompem bruscamente o sonho. Está escuro, faz frio.

3ª parte: 

O viajante vê florões e folhagens de gelo na janela. Quem os desenhou? Decerto vão rir do sonhador que viu flores em pleno inverno. Repete-se a sequência: aos poucos, o viajante adormece e sonha de novo, desta vez com os abraços e beijos de uma bela jovem. Os galos o acordam outra vez. Agora ele não consegue mais dormir. Seu coração bate depressa.

Última estrofe: 

Ele pensa: “Quando vão ficar verdes as folhagens? Quando vou ter em meus braços meu amor?” E é neste clima de desolação que termina esta suprema obra-prima.

Schubert – Frühlingstraum | Julian Prégardien (tenor )

 

Interlúdio

Mozart – Sonata K. 545: Andante | Enrique Graf (piano)

 

  1. LICHT UND LIEBE (Luz e Amor)

O quarto ato da tragédia de Matthäus von Collin, A Morte de Frederico, o Valente, mostra Frederico de volta ao seu querido vale na Áustria, onde viveu tempos felizes. Ele lamenta seu triste destino, quando ouve vozes: primeiro a de um homem e depois a de uma mulher, cantando ao longe. As vozes se misturam em um etéreo dueto:

“O amor é uma doce luz;

Assim como a Terra anseia pelo Sol

E pelas estrelas brilhantes,

No azul do firmamento,

Assim o coração anseia pelo êxtase do amor,

Porque o amor é uma doce luz.”

Os sons flutuam misteriosamente dentro da noite… 

Schubert – Licht und Liebe | Birgid Steinberger (soprano) e Jan Petryka (tenor)

Uma observação sobre os intérpretes: o tenor é jovem, vestido de maneira simples. Tem talento, mas, às vezes, parece um pouco inseguro. Já a soprano é mais velha, vestida em trajes de noite, joias, penteado, etc. Canta com desenvoltura. No final, eles estão alegres, abraçam-se, conseguiram sair-se bem. Há uma relação entre eles – acho que a soprano é professora do tenor.

 

  1. ABSCHIED (Despedida)

“No alto da montanha 

Há uma área verde.

Devo voltar sozinho,

Adeus, tem de ser assim.

 

Partir, deixando quem se ama,

Ah, como dói o coração.

Lagos, bosques e colinas, todos desaparecem.

Ouço ao longe o eco de suas vozes 

 

Adeus! soa o lamento,

Ah, como dói o coração.

Partir, deixando a quem se ama

O lamento soa: Adeus!”

 

Na canção Abschied D. 475, baseada no poema de Johann Mayrhofer, Schubert anota na partitura: “lento e melancólico”. A dinâmica em pianíssimo (pp e mesmo ppp) predomina.

Schubert indica que a canção se baseia em um hino de peregrinos que não foi encontrado. Mayrhofer intitula o poema Lunz (uma pequena cidade no sul da Áustria). 

O jogo de ecos do Alpenhorn (trompa alpina) ressoa ao longo da canção. A nostálgica música do prelúdio serve também como interlúdio e poslúdio.

Diz o musicólogo Graham Johnson: “Esta jornada musical nos leva à outra margem do rio, a novos domínios espirituais” (tradução livre).

Schubert – Abschied, D. 475 | Christian Gerhaher (barítono)

DESTAQUES